N55

logo-n55

CLDF rememora Dia de Nakba, marco do êxodo palestino após criação de Israel

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
CLDF rememora Dia de Nakba, marco do êxodo palestino após criação de Israel

Nesta segunda (27), às 19h, a Câmara Legislativa do Distrito Federal realiza solenidade em memória dos 76 anos de Nakba (palavra árabe para “catástrofe” ou “desastre”), episódio que remete a 15 de maio de 1948, data do início da retirada do povo palestino após a fundação do Estado de Israel. A iniciativa do deputado Gabriel Magno (PT) “relembra a data histórica e ratifica a manifestação palestina contra o domínio territorial e a limpeza étnica”. 

Dados históricos estimam que aproximadamente 750 mil palestinos tenham fugido ou sido forçados a deixar suas casas devido a ocupação. Segundo Magno, o evento salienta os desafios enfrentados pelas vítimas do conflito, desde segregação, dificuldades econômicas, escassez de recursos básicos e a constante presença militar israelense. 

“Não há espaço para uma ideologia racista, supremacista, colonial e violenta em pleno século 21. Não é mais possível conviver com o apartheid e a ocupação que são perenes há 76 anos”, enfatiza o parlamentar. “Ataques a alvos civis são condenáveis, independentemente do lado envolvido no conflito. É necessário um cessar-fogo imediato, um cessar da ocupação israelense na Palestina e o fim de todos os crimes de guerra”, reforça Magno.

Nakba aponta ainda para o problema de que muitos refugiados palestinos no exterior permanecem apátridas até hoje

A solenidade de hoje a noite pode ser acompanhada em transmissão simultânea pela TV Câmara Distrital (canal 9.3) e pelo canal da Casa no YouTube.

 

Conflito

O Dia de Nakba ressalta a reinvidicação do povo palestino para que Israel acate a Resolução 194 da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) de 1948 que estabelce o direito de retorno dos refugiados para a Palestina. O texto também destaca que os palestinos tem direito de andar livres nas ruas do seu Estado sem serem barrados, fichados, presos ou mortos pelo exército israelense.

O conflito arabe-israelense voltou a ser destaque após o ataque terrorista coordenado por grupos militantes palestinos contra cidades israelenses nas proximidades da Faixa de Gaza em outubro do ano passado. Em seis meses de conflito, já são 2 mil israelenses mortos e, segundo dados do Ministério da Saúde Palestino, mais de 30 mil palestinos, sendo 70% crianças e mulheres. 

Fonte: Agência CLDF

Matérias Relacionadas